terça-feira, 29 de junho de 2010

a flor

o mestre do silêncio

Um dia, Buda devia dar uma palestra especial, e milhares de seguidores tinham vindo de muitas milhas de distância.

Quando Buda apareceu, ele estava segurando uma flor.

O tempo passou, mas Buda não disse nada.

Ele só olhou para a flor.

A multidão ficou inquieta, mas Mahakashyapa, que não mais podia conter-se, riu.

Buda acenou para ele, deu-lhe a flor, e disse para a multidão: "Eu tenho o olho do verdadeiro ensinamento. Tudo aquilo que pode ser dado com palavras eu dei para vocês; mas com esta flor, eu dou a Mahakashyapa a chave para este ensinamento".

sábado, 26 de junho de 2010

você

Você...Você é tudo o que eu queria...
Tudo o que anseio que a ilusão me dê...
O meu sonho de amor de todo dia
Que nos meus olhos úmidos se lê...
Minha felicidade fugidia,
O meu sonho é você.....
Você...Você é a própria poesia
De tudo quanto em volta a mim se vê.
Se Deus quisesse dar-me certo dia
Tudo aquilo que eu quero que me dê,
Eu, sem pensar ao menos, pediria
Que me desse você!
Sonhos... glória imortal... seria um louco
Pedir tanta ilusão... Não sei porque,
Mesmo a ventura, que possuo tão pouco,
E tudo o mais que a vida ainda me dê,
Fortuna...amor...tudo eu daria, tudo,
Por você!
É que você tem todos os venenos...
É que seus lábios têm um não sei quê...
Os olhos de você são dois morenos
Que andam fazendo à noite cangerê...
Por tudo isso, eu pediria, ao menos,
Um pedacinho de você!

Judas Isgorogota

slideshow

domingo, 6 de junho de 2010

uma poesia que adoro

Meu Sonho (Cecília Meireles)

Parei as águas do meu sonho
para teu rosto se mirar.
Mas só a sombra dos meus olhos
ficou por cima, a procurar...
Os pássaros da madrugada
não têm coragem de cantar,
vendo o meu sonho interminável
e a esperança do meu olhar.
Procurei-te em vão pela terra,
perto do céu, por sobre o mar.
Se não chegas nem pelo sonho,
por que insisto em te imaginar?
Quando vierem fechar meus olhos,
talvez não se deixem fechar.
Talvez pensem que o tempo volta,
e que vens, se o tempo voltar.