sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

A SEMENTE



Deus purifica de qualquer forma.
Não é somente ouro que tem de passar pelo fogo para ser purificado, o homem também.
Para o homem esse fogo é a angústia do amor.

É uma felicidade quando este fogo entra na vida de uma pessoa, ele é o fruto de preces infinitas, nascimentos infinitos.

É a intensidade da sede que se transforma finalmente em amor, mas, infelizmente, poucos são capazes de recebê-lo porque poucos podem reconhecer o amor em forma de angústia. 

Amor não é um trono, é uma cruz; mas aqueles que prazerosamente se oferecem a ela alcançam o trono mais alto. A cruz pode ser vista, o trono, não — está sempre escondido atrás da cruz.

E mesmo Jesus hesitou por um momento; mesmo seu coração gritou: Pai, por que você se esqueceu de mim?

Mas no próximo momento ele lembrou e disse: Que seja feito.

Aquilo foi suficiente: a cruz tornou-se um trono e a morte, uma nova vida.
No momento de revolução, entre uma frase e outra, Cristo desceu sobre Jesus. 

Seu sofrimento é intenso e um novo nascimento está chegando; seja feliz, seja agradecido, não tenha medo da morte, tenha gratidão, estes são os rumores de um novo nascimento e o velho deve morrer para dar vida ao novo; a semente tem de quebrar-se para desabrochar em flor. 

OSHO

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

ATENTO



Sempre que ocorre uma mudança, qualquer tipo de mudança, as coisas ficam mais nítidas. Quando a mudança incomoda você, todas as suas perturbações interiores vêm à tona.

Quando vocês dois estão se sentindo perturbados, e ambos estão tentando jogar a responsabilidade nos ombros do outro, tente ver o que está acontecendo.

Tente ver dentro de você; o outro nunca é responsável. Lembre-se disso como um mantra: o outro nunca é responsável.

Só observe, nada mais do que isso. E se você for sábio no momento. não haverá nenhum problema. Todo mundo só se torna sábio depois que o momento passou, e a sabedoria retrospectiva não vale nada.

Se você está acusando a outra pessoa, precisa tomar consciência nesse exato momento, e deixar que essa consciência funcione. Imediatamente você descartará essa acusação.

Mas, se você já fez tudo — brigou, resmungou, reclamou — e depois recuperou a sabedoria e viu que nada daquilo fez sentido, é tarde demais. Não adianta mais, o leite já foi derramado.

Essa sabedoria é apenas uma pseudossabedoria. Ela dá a você a sensação de que compreendeu. Esse é um truque do ego. Essa sabedoria não vai ajudar em nada.

Quando estiver fazendo alguma coisa, nesse exato momento, simultaneamente, a consciência precisa despertar para que você veja que isso é inútil. Se você conseguir ver isso no momento exato, não conseguirá ir adiante.

A pessoa nunca vai contra a própria consciência, e se for, isso é sinal de que essa consciência não é consciência coisa nenhuma. Trata-se de outra coisa.

Então, lembre-se, o outro nunca é responsável por nada. Trata-se de algo fervendo dentro de você. E é claro que a pessoa que ama está próxima a você.

Você não pode jogar a culpa num estranho que passe por você na rua. por isso a pessoa mais próxima torna-se o alvo para o qual você dirige todas as suas insensatezes.

Mas isso precisa ser evitado, porque o amor é muito frágil. Se você exagerar, se for além da conta, o amor pode acabar.

O outro nunca é responsável. Tente fazer disso um estado permanente de consciência em você: sempre que começar a ver algo errado na outra pessoa, lembre-se.

Sempre que se pegar em flagrante, você vai se lembrar de que o outro não é responsável.

OSHO

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Os Três Caminhos:



ESFORÇO  [ karma ]:

TEM três caminhos. O primeiro é o caminho da ação - o mais duro, o mais difícil, o mais masculino. Moisés, Maomé, Rama, Patanjali, Gurdjieff - essas pessoas pertencem ao caminho da ação. Algo tem que ser feito para alcançar Deus; grande esforço é necessário, esforço absoluto é necessário, ele é árduo e penoso. Existem pessoas que sempre gostam de ir pelo caminho mais difícil. Essas são as suas escolhas - elas amam isso, elas amam o desafio disso.

CONHECIMENTO [ jnâna ]:

O segundo caminho é o caminho do conhecimento. Está no meio - nem muito difícil, nem muito simples, nem muito fácil, nem muito complexo também. O primeiro é muito complexo, Gurdjieff é muito complexo; o segundo é o caminho do conhecimento, exatamente no meio. Buda - Buda chamou o seu caminho de caminho do meio, majjhim nikai - Mahavira, Shankara, Ramana, Krishnamurti: essas são pessoas que percorrem o caminho do conhecimento. Ele não é tão árduo como o primeiro, e não é tão relaxado quanto o terceiro; está exatamente no meio. As pessoas que não são muito masculinas e não são muito femininas seguem este caminho.

AMOR [bhakti ]:

O terceiro é o caminho do amor - o caminho da devoção, bhakti. Narada, Chaitanya, Meera, Sahajo, Ramakrishna - estas são pessoas que trilharam esse caminho. É o mais simples, mais direto, mais íntimo. Você não pode achar nada mais fácil. Esse é o atalho. Ele não é penoso. Você não precisa fazer nada. Nesse caminho, o fazer será sua destruição. Você só precisa relaxar e confiar.

OSHO


Ao longo de sua vida em estado de encarnação [aprisionamento] o indivíduo pode e deve buscar o auto desenvolvimento do seu verdadeiro Ser, que é Espiritual e livre.
Se nada faz para se desenvolver, o Homem-Animal, ao morrer, continuará sua existência em um estado letárgico, não desperto. 
Os homens nascem em um estado de consciência enevoado, confuso. Não estão despertos ao nascer; ao contrário, estão adormecidos.
Ao longo do desenvolvimento ordinário do corpo, desde muito cedo submetida às técnicas de socialização, a consciência tende a se acomodar e a se manifestar pelos automatismos aprendidos.
A percepção é superficial; os sentidos restringem-se à recepção dos estímulos mais grosseiros. O mundo é experimentado apenas em sua realidade aparente, superficial, mayavica [ilusória].

Os Três Caminhos

A busca do Conhecimento e de Auto Conhecimento são tão antigos quanto o primeiro cintilar de consciência do Eu Sou. Ninguém sabe há quantas Eras os homens buscam o saber de si mesmos e do seu em torno.
Ao longo dessa jornada os povos, as nações, culturas, desenvolveram ao menos Três Caminhos para alcançar a meta dourada, a pedra filosofal dos Alquimistas, o Poder! sobre Si Mesmo e um decorrente controle do meio [natureza]. Como se o objetivo do Ser Humano fosse realizar o projeto mágico: Reinar sobre si mesmo para reinar sobre a Natureza ou como pode se entender nas entrelinhas do ensinamento de Jesus: Buscar primeiro o Reino de Deus; o resto vem por acréscimo. O enigma e definir Reino de Deus...

1. O Caminho do Faquir ─ É duro. É o caminho do Corpo.
O faquir obtém o auto controle ou pretende obtê-lo submetendo o corpo ao Espírito por meio da imposição de dor. Submetendo o Instinto à Vontade pela negação completa da satisfação do instinto. Eles podem ser vistos na Índia, hoje, com seus braços atrofiados, suspensos Voluntariamente a 30 anos! Porque o faquir é um tirano para o corpo e deles vem a tradição de alcançar a Iluminação por meio da mortificação. Buda Sakyamuni ao ver esse faquires de braços atrofiados e outros, mutilados de todo o tipo, refletiu, meditou, e achou uma péssima ideia.
A imagem do Faquir é o extremo desse caminho que é o caminho da ação. Segue esse caminho quem acredita ser necessário grande esforço para alcançar Deus.
Na realidade, o Caminho da Ação é o caminho que a maioria da humanidade tem seguido ao longo de milhões de anos.
2. Caminho do Iogue ─ É o caminho da mente.

O iogue combate os hábitos mentais. Porque a realidade é maia, é ilusão. Porque tal ilusão é criada pelo torvelinho de pensamentos, o iogue se concentra em dominar os próprios pensamentos, deter o fluxo aleatório de ideias.
Para o iogue a capacidade de pensar é como um belo e poderoso cavalo selvagem perdido a galopar sem destino em todas as direções do plano mental.

O cavalo tem de ser domado.
Uma vez que iogue consiga controlar o corcel dos seus pensamentos, poderá transformar sua realidade a partir de transformações no plano mental, das idéias.
Porque o invisível e impalpável, a ideia, é o modelo e matriz do visível e palpável.
E assim tudo é maia, é ilusão porque tudo pode ser modelado através da força do pensamento dirigido.
Em termos populares, o Caminho do Iogue é a conhecida doutrina do pensamento positivo, tão travestida e maquiada mas sempre a mesma nas prateleiras dos livros de auto ajuda.
O caminho do Iogue é o caminho do Conhecimento.
 A imagem do Iogue ermitão meditando na mata é o extremo desse caminho.
É possível seguir esse caminho do conhecimento sem negar o mundo desde que medite diariamente e busque o auto conhecimento em suas relações com as coisas, ideias e pessoas.


3. Caminho do Monge 
─ É o caminho do Coração [Amor].

Para os que buscam a santidade porque somente obterão santidade por meio do controle de si mesmos.
Porque neste caminho a prática é submeter as afeições: negar, evitar até transformar em alguma outra coisa o desejo por tudo aquilo que é mundano - seja a comida, seja a riqueza, seja o sexo, seja o amor romântico ou mesmo o amor fraternal.
Transubstanciar-se em Eu Divino e Eterno pela negação desse mesquinho Eu Humano, tão efêmero.

Então os monges e monjas se afastam do mundo. Especialmente das diversões do mundo, das coisas que dispersam os sentidos, envenenam o pensamento e abalam a esfera emocional.
Recolhem-se em orações, que são sempre mantras, sejam hindus ou cristãs católicas.
E quando estão nas ruas, entre as pessoas, estão como Servos, à Serviço do Criador; serviço que consiste em prestar assistência às Suas Criaturas.

É possível seguir esse caminho sem negar o mundo.
A imagem do monge que nega o mundo e se afasta de tudo é o extremo desse caminho.
O caminho do Coração que não nega o mundo é para os leões, pois exige muita coragem.

 Pesquisa de: Annabelle Rosette 


Para aqueles que desejam seguir o Caminho da Ação um livro útil: Fragmentos de um Ensinamento Desconhecido – P.D. Ouspensky – em busca do milagroso – Pensamento.

Para aqueles que desejam seguir o Caminho do Conhecimento sugiro: A Primeira e Última Liberdade – J. Krishnamurti – Nova Era.

Para aqueles que desejam seguir o Caminho do Coração, além do Mestre Maior do Amor Jesus de Nazaré, sugiro do mestre contemporâneo OSHO – Tantra: A Suprema Compreensão – Pensamento. 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

A ORAÇÃO PAI NOSSO


Oração do pai nosso ensinada por Jesus:

Pai-Mãe, respiração da Vida, Fonte do som, Ação sem palavras, Criador do Cosmos!
Faça a sua Luz brilhar dentro de nós, entre nós e fora de nós para que possamos torná-la útil.
Ajude-nos a seguir o nosso caminho, respirando apenas o sentimento que emana do Senhor.
O nosso EU, no mesmo passo, possa estar com o Seu, para que caminhemos como Reis e Rainhas com todas as outras criaturas.
Que o Seu e o nosso desejo, sejam um só, em toda a Luz, assim como em todas as formas, em toda existência individual, assim como em todas as comunidades.
Faça-nos sentir a alma da Terra dentro de nós, pois, assim, sentiremos a Sabedoria que existe em tudo.
Não permita que a superficialidade e a aparência das coisas do mundo nos iludam.
E liberte-nos de tudo aquilo que impede o nosso crescimento.
Não nos deixe ser tomados pelo esquecimento de que o Senhor é o Poder e a Glória do mundo, a Canção que se renova de tempos em tempos e que a tudo embeleza.
Possa o Seu amor ser o solo onde crescem as nossas ações.
Que assim seja.”

Oração do Pai Nosso ensinada pela igreja:

Pai nosso, que estás no céu

santificado seja o Vosso Nome

venha a nós o Vosso Reino

seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje,

Perdoai  nossas ofensas
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do mal.
Amém.


OUTRA VERSÃO EM ARAMAICO



Awan d’wash-maya 
Pai nosso que está no céu
nith-qa-dash shmakh 
Santificado seja o Teu nome
teh-teh mal-ku-thakh 
venha teu reino
neh-weh tzew-ya-nakh
 
seja feita Tua vontade
ay-ka-na d’wa-shma-ya ap b’ar-aa
assim no céu também na terra
haw-lan lakh-ma d’sun-qa-nan yaw-ma-na 
dá-nos o pão que necessitamos neste dia
w’ash-wuq lan khau-bayn
e perdoa-nos nossas dívidas
ay-ka-na d’ap akh-nan 
assim como nós
shwa-qan l’kha-ya-wayn
perdoamos aos nossos devedores
w’la ta-lan l’nes-yu-na
e não nos conduza ao julgamento
e-la pa-tzan min bi-sha 
mas livra-nos do mal
me-tol d’di-lakh hi mal-ku-tha
porque Teu é o reino
w’khay-la w’tesh-bukh-ta
e o poder e a glória
l’al-am al-min Am-een
para sempre eternamente Amém

ORAÇÃO AO PAI  -  NOVA VERSÃO:

Pai-Mãe que está no Céu
Santo é o Seu Nome
Venha a mim o Seu Reino
Seja feita a Sua Vontade
Assim na Terra, como é no Céu
O Fruto da Árvore da Vida me dê hoje
Perdoa os meus erros
Assim como perdoo os que erram comigo
Não me deixe errar de novo
Mas me livra do Ego
Amém



Pai Nosso em Esperanto
Patro Nia,
Kiu estas em La Cielo
Via Nomo estu Sanktigita
Venu via Regno
Plenumigu via volo kiel em La Cielo
Tiel ankau sur La Tero
Nian panon ciutagan donu al ni hodiau
Kaj pardonu al ni niajn suldojn
Kiel ankau ni pardonas al niaj sultandojn
Kaj ne konduku nin em la tenton
Sed liberigu nin de la malbono


quinta-feira, 27 de setembro de 2012

CONTROLE DE NATALIDADE DO REGIME COMUNISTA


Abandono de recem nascidos na China

Em alguns países asiáticos de regime autoritário, como a China, é comum encontrar bebês, principalmente do sexo feminino, apodrecendo nas sarjetas. Nesses lugares, muitos pais abandonam os filhos ainda recém-nascidos por medo da repressão imposta pelo governo que restringe a ‘1’ o número de descendentes que cada casal pode ter, como medida para controle de populacional.

Quartos da morte

A existência de "depósitos de crianças" na China, conhecidos como "quartos da morte" foi revelada há cerca de dois anos por Zhang Shuyun, médica que trabalhava no Instituto de Beneficência Infantil de Xangai. Ela fugiu para os Estados Unidos com fotos e fichas médicas que documentavam a morte de mais de 1.000 crianças, a maioria de inanição, em orfanatos do Estado.


"Essas crianças, a maioria meninas, são trancafiadas em quartos escuros e sujos, são amarradas e deixadas lá para morrer, mas até que isso aconteça, elas passam por uma agonia e sofrimento constantes", disse Zhang Shuyun a uma tevê inglesa que tornou o caso público.

Para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, que passou a investigar os Quartos da Morte chineses depois da denúncia, esta situação não se trata de um controle de natalidade, mas sim, de um infanticídio próximo ao que se via nos regimes totalitários nazistas.


"Essas crianças, a maioria meninas,
são trancafiadas em quartos escuros e sujos,
são amarradas e deixadas lá
para morrer."



Texto de: Zhang Shuyun

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

FANTASIAS DE SALVAMENTO


A função perversa dos contos de fadas
Ao invés de desenvolver suas próprias capacidades, meninas aprendem a esperar pelo “homem salvador”.
Não tenho dúvidas de que os contos de fadas são prejudiciais às crianças. Mas será que pais e professores se dão conta disso? Será que percebem quais tipos de ideias estão passando para as crianças, subliminarmente, por meio desses contos? Cinderela, Branca de Neve, Bela Adormecida. Modelos de heroínas românticas, que, ao contrário do que se poderia imaginar, no que diz respeito ao amor, ainda são parecidas com muitas mulheres de hoje. Mas isso não é à toa.

Desde a Antiguidade as mulheres detinham um saber próprio, transmitido de geração em geração: faziam partos, cultivavam ervas medicinais, curavam doentes. Na Idade Média seus conhecimentos se aprofundaram e elas se tornaram uma ameaça. Não só ao poder médico que surgia, como também do ponto de vista político, por participar das revoltas camponesas. Com a “caça às bruxas”, no século XVI, 85% dos acusados de feitiçaria eram mulheres. Milhares delas foram executadas; na maior parte das vezes queimadas vivas.

Segundo os manuais usados pelos inquisidores, é pela sexualidade que o demônio se apropria do corpo e da alma dos homens, dominando-os através do controle e da manipulação dos atos sexuais. 
Não foi assim que Adão pecou? Como as mulheres estão essencialmente ligadas à sexualidade, elas se tornam agentes do demônio (as feiticeiras). Rose Marie Muraro na introdução do livro "O martelo das feiticeiras", escrito por dois inquisidores em 1484, chama a atenção para um detalhe importante: “eram consideradas feiticeiras as mulheres orgásticas e ambiciosas, as que ainda não tinham a sexualidade normatizada e procuravam se impor no domínio público exclusivo aos homens.”
A partir daí podemos entender melhor como as mulheres e as personagens femininas das histórias infantis foram se tornando passivas, submissas, dóceis e assexuadas. Em "Cinderela", "Branca de Neve" e "A Bela Adormecida" existem algumas mulheres que até fazem mágicas, mas a mensagem central não é a do poder feminino, e sim da impotência da mulher. O homem, ao contrário, é poderoso. Não só dirige todo o reino, como também tem o poder mágico de despertar a heroína do sono profundo com um simples beijo. Além da incompetência de lutar por si própria, comum às principais heroínas, Cinderela é enaltecida por ser explorada dia e noite, trabalhando sem reclamar e sem se rebelar contra as injustiças. Padece e chora em silêncio. Seu comportamento sofrido, parte do treinamento para se tornar a esposa submissa ideal, é recompensado: seu pé cabe direitinho no sapato e ela se casa com o príncipe.
No entanto, o mais grave nos contos de fadas é a ideia de que as mulheres só podem ser salvas da miséria ou melhorar de vida por meio da relação com um homem. As meninas vão aprendendo, então, a ter fantasias de salvamento, em vez de desenvolver suas próprias capacidades e talentos. As heroínas das histórias estão sempre ansiosas em fazer o máximo para agradar ao homem, ser como ele deseja, e acreditam que adequar seu corpo à expectativa dele é fundamental. Não se esqueça de que Cinderela e todas as moças do reino tentam se ajustar ao sapatinho encontrado pelo príncipe — a madrasta orienta as filhas a cortar um pedaço do pé para corresponder ao que o homem espera delas.

A historiadora americana Riane Eisler afirma que “essas histórias incutem nas mentes das meninas um roteiro feminino no qual lhes ensinam a ver seus corpos como bens de comércio para conseguirem pegar não um sujeito comum, mas um príncipe, status e riqueza.Em última análise a mensagem dos ‘inocentes’ contos de fadas, como Cinderela, é que não somente as prostitutas, mas todas as mulheres devem negociar seu corpo com homens de muitos recursos.”

Em vez de desenvolver suas próprias potencialidades e buscar relações onde haja uma troca afetiva e sexual, em nível de igualdade com o parceiro, muitas mulheres se limitam a continuar fazendo tudo para encontrar o príncipe encantado.

Regina Navarro Lins



quarta-feira, 19 de setembro de 2012

N E O Q A V


UM CERTO CASAL
 já casado há mais de cinquenta anos, continuava jogando um jogo que havia iniciado no princípio do namoro.

                                              
O jogo era que um tinha que escrever a palavra NEOQEAV num lugar inesperado para o outro encontrar. Quem a encontrasse, deveria escrevê-la em outro lugar e assim sucessivamente.
Eles se revezavam deixando NEOQEAV escrita por toda a casa, e assim que um a encontrava, a escondia em outro local para o outro achar.
Eles escreviam NEOQEAV com os dedos no açúcar dentro do açucareiro ou no pote de farinha para que o próximo que fosse cozinhar a achasse.
NEOQEAV era escrita na janela embaçada pelo sereno e no vapor deixado no espelho depois de um banho quente, onde a palavra iria reaparecer depois do próximo banho.
Uma vez, a esposa até desenrolou um rolo inteiro de papel higiênico para deixar NEOQEAV na última folha e enrolou tudo de novo.
Não havia limites para onde NEOQEAV pudesse surgir.
Pedacinhos de papel com NEOQEAV rabiscado apareciam grudados no volante do carro que eles dividiam.
Os bilhetes eram enfiados dentro dos sapatos e deixados debaixo dos travesseiros.
NEOQEAV era escrita com os dedos na poeira sobre as prateleiras e nas cinzas da lareira. 
Esta misteriosa palavra tanto fazia parte da casa deste casal quanto da mobília deles. Era um amor profundo. 
Mais do que um jogo de diversão, NEOQEAV era um modo de vida.
Seu relacionamento era baseado em devoção e uma afeição apaixonada, igual as quais nem todo mundo tem a sorte de experimentar. 
Ficavam de mãos dadas sempre que podiam.
Roubavam beijos um do outro sempre que se batiam um contra outro naquela cozinha tão pequena. 
Eles conseguiam terminar a frase incompleta do outro e todo dia resolviam juntos as palavras cruzadas do jornal.
Ela cochichava no ouvido dos netos como ele havia se tornado um velho charmoso e se gabava de dizer que sabia como pegar os namorados mais bonitos.
Antes de cada refeição eles se reverenciavam, davam graças a Deus e benção aos presentes por serem uma família maravilhosa, para continuarem sempre unidos e com boa saúde.
Mas afinal, o que NEOQEAV significava?

Simples:

Nunca Esqueça O Quanto EAmo Você